• Filosofando com as panelas

    Cozinhar muda o mundo (ou como se alimentar com comida de verdade)

    Afinal, o que é comida de verdade? Contar calorias é uma forma de alimentação saudável? O que é de fato um alimento funcional? Como nutrir o organismo gastando pouco?

    A resposta para essas perguntas é muito mais simples do que a gente pode imaginar: cozinhe em casa! 

    As pessoas se perguntam como combater o aquecimento global, a degradação ambiental e as injustiças sociais.

    Thomas Morus, o maior humanista do Renascimento,  foi assertivo ao dizer que “qualquer mudança começa pela comida. Vamos comer alimentos locais, orgânicos, sazonais e deliciosos. Vamos lidar com os alimentos com as nossas próprias mãos, e não deixar a sua produção apenas nas mãos das corporações.”

    Alimentação saudável e comida de verdade é nada menos que tomar consciência do que se come.

    Alimentação funcional é aquela que realmente funciona para cada pessoa, que cabe na rotina, que cabe no seu bolso.

    Não é à toa que a palavra alimentar vem do Latim “alere”, que significa “fazer crescer”, “nutrir”, “curar”, “tratar”. 

    A lógica já começa na feira ou no supermercado: quando um agricultor produz um alimento fora de sua safra natural, ele lança mão de mais adubos químicos e defensivos agrícolas para melhorar a produção. Isso compromete as águas, os solos, o clima e sua saúde.

    Quer um exemplo? Pense no morango. Fora da época de sua safra – que se dá no período do inverno,  seu preço é triplicado e o gosto definitivamente não é o mesmo, pois o uso de tais insumos  alteram as características sensoriais e nutricionais da fruta.

    Por isso mesmo saber diferenciar comida de verdade de alimentos ultraprocessados é o princípio de tudo!

    A dica para começar a se alimentar de verdade é planejar sua alimentação semanal, fazer amizade com o dono do hortifrutigranjeiro, passear pelas feirinhas, procurar saber a origem do que está comprando.

    Familiarizar com a  época das frutas, verduras e legumes também é uma verdadeira mão na roda, pois além de economizar na hora das compras, é um passo para começar a planejar receitas a partir de determinado alimento.

    Se você sabe que provavelmente irá encontrar berinjelas no supermercado, porque não fazer uma saborosa caponata vegana, que é um antepasto leve e nutritivo?

    Para facilitar a vida e começar a pensar de forma mais simples e prática, cole na geladeira uma listinha com o calendário dos vegetais e dê uma olhada  nela todas as vezes que sair de casa para o mercado. Com o tempo, vai ficar fácil memorizar quais são os alimentos da época.

    calendarioagricola

    Fevereiro, por exemplo, é o mês do quiabo, banana e cenoura. Usar essa simples informação ajuda seu bolso, contribui com o meio ambiente e torna sua comida ainda mais saudável e apetitosa.

    Além disso, usar as frutas e verduras da estação te desafia a buscar novas receitas e a fazer combinações surpreendentes e genuínas.

    Segundo Michel Pollan, “cozinhar é um ato político” pelo simples fato de que, quando você interage com os alimentos, você entende o que está comendo, valoriza o que tem à mesa. Pensar que inúmeras pessoas morrem de fome no mundo também nos faz rever nossa ligação com a comida.

    Vivemos num mundo onde a comida congelada, junk food e pratos prontos tomam conta da nossa alimentação. A produção em massa de comidas multiprocessadas tomou a vez da beleza e do prazer de preparar refeições em companhia de alguém querido. Os caldos prontos, lotados de sódio e conservantes, tomaram lugar do prazer de sentir o aroma do cozido que fica em fogo brando vindo da panela. Perdemos controle das nossas origens e da origem do que colocamos à mesa. A maior parte das pessoas não sabe sequer dizer como a comida é semeada, como ela chega às gôndolas do supermercado, quem está por trás de tudo isso.

    Para combater esse pensamento, é possível encontrar sites como o  Feiras Orgânicas, que dispõe uma lista acessível dos locais onde você pode encontrar uma feirinha daquelas de lavar a alma a poucas quadras de casa. Tudo cultivado pelo senhorzinho que planta cada ingrediente com o maior carinho do mundo.

    Quando você compra de pequenos produtores, fomenta o comércio local e gasta menos tempo se deslocando e estressando no trânsito. De quebra seu dinheiro fica no seu bairro ou em torno dele, desenvolvendo com isso a comunidade do seu entorno.

     

    shop local

    “Quando você compra de produtores locais, você não ajuda o dono de uma empresa a comprar sua terceira casa de férias. Você estará ajudando uma menininha a tomar aulas de dança, um menininho a fazer esportes, um pai e uma mãe e colocar comida na mesa. Obrigada por fazer compras na vizinhança”. 

    (ph by http://purcaholic.tumblr.com)

    Tenha sempre em mente que nossa saúde está diretamente ligada à comida que mantemos na nossa cozinha, e que o modo da sua produção pode influenciar o aquecimento global e até os índices de nutrição e pobreza em regiões mais vulneráveis.

    E a falta de tempo para cozinhar não é desculpa, pois aqui no Cebola Na Manteiga você encontra receitinhas para executar com menos de meia hora.

    Que tal começar hoje mesmo?

    Se esse post fez sentido para você, deixe um comentário contando pra gente como sua foi experiência =)

    NÃO PERCA NENHUMA NOVIDADE!
    Receba em primeira mão o conteúdo do Cebola 🙂
    Inscrever!
  • You may also like

    NÃO PERCA NENHUMA NOVIDADE!
    Receba em primeira mão o conteúdo do Cebola :)
    Inscrever!
    Me inscrever :)

    Pin It on Pinterest

    Share This