Categoria

Receitas

  • Receitas

    Mingau de aveia com coco e banana

    Na tentativa de parar de comer farinha branca pela manhã tenho encontrado muitas alternativas para um café saudável e completo. Tenho consumido lanchimo panqueca de grão de bico, e panqueca de aveia fermentada. Hoje trouxe o mingau de aveia com coco e banana, que fica pronto em minutos, satisfaz e é muuuuuito gostoso!

    A textura dos ingredientes dessa receita √© muito not√°vel, principalmente se voc√™ colocar nibs de cacau, que confere a croc√Ęncia. A pimenta do reino¬† foi introduzida no mingau para ajudar na absor√ß√£o das vitaminas.

    Esse mingau é para fugir da monotonia alimentar!

    Quem vem?

    Continue Reading

  • Receitas

    A flor de ipê salteada e o necessário flerte com a morte

    O ipê é minha árvore preferida pelo simples fato de que ela flerta com a morte. Em pleno inverno, longe da bonança das águas das chuvas que nutrem, o ipê, crente que vai morrer de esquecimento e secura, concentra todas as suas forças para florescer, garantindo assim que suas sementes sejam disseminadas pelo vento e possam fazer germinar em outros canteiros novos exemplares de sua espécie.

    Todas as vezes em que me deparo com um ip√™ penso em como ignoramos a morte, que paradoxalmente √© a √ļnica certeza que temos na vida. Falar sobre a morte √© quase um tabu! Quando o assunto sai numa roda, as pessoas na maior parte das vezes mudam o rumo da conversa.

    Tento encarar o envelhecimento e a consequente chegada da morte como um processo natural, tranquilo e absolutamente necessário. Longe de mim a ideia egocêntrica de querer viver a mesma vida para sempre!

    O escritor e g√™nio Rubem Alves cita o ip√™ em muitos de seus contos. Em “Os Ip√™s Est√£o Floridos”¬†ele ilustra bem essa linha de racioc√≠nio:

    “Gosto dos ip√™s de forma especial. Quest√£o de afinidade. Alegram-se em fazer as coisas ao contr√°rio. As outras √°rvores fazem o que √© normal ‚Äď abrem-se para o amor na primavera, quando o clima √© ameno e o ver√£o est√° pr√° chegar, com seu calor e chuvas. O ip√™ faz amor justo quando o inverno chega, e a sua copa florida √© uma despudorada e triunfante exalta√ß√£o do cio.

    Conheci os ip√™s na minha inf√Ęncia, em Minas, os pastos queimados pela geada, a poeira subindo das estradas secas e, no meio dos campos, os ip√™s solit√°rios, colorindo o inverno de alegria. O tempo era diferente, moroso como as vacas que voltam em fim de tarde. As coisas andavam ao ritmo da pr√≥pria vida, nos seus giros naturais. Mas agora, de repente, esta √°rvore de outros espa√ßos irrompe no meio do asfalto, interrompe o tempo urbano de sem√°foros, buzinas e ultrapassagens, e eu tenho de parar ante esta apari√ß√£o do outro mundo. Como aconteceu com Mois√©s, que pastoreava os rebanhos do sogro, e viu um arbusto pegando fogo, sem se consumir. Ao se aproximar para ver melhor, ouviu uma voz que dizia: ‚ÄúTira as sand√°lias dos teus p√©s, pois a terra em que pisas √© santa‚ÄĚ. Acho que n√£o foi sar√ßa ardente. Deve ter sido um ip√™ florido. De fato, algo arde, sem queimar, n√£o na √°rvore, mas na alma. E concluo que o escritor sagrado estava certo. Tamb√©m eu acho sacril√©gio chegar perto e pisar as milhares de flores ca√≠das, t√£o lindas, agonizantes, tendo j√° cumprido sua voca√ß√£o de amor”.

    Tem coisa mais poética que um ipê repleto de flores no inverno, contrastando com o restante da vegetação?

    As PANC¬īS¬† e o nosso analfabetismo bot√Ęnico

    Há cerca de três anos conheci o livro Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC`s), de Valdely Kinupp. Me lembro bem que, ao me deparar com as duas páginas coloridas que falavam sobre o ipê, fiquei extasiada ao tomar ciência de que as flores são comestíveis. Logo pensei: que gosto será que elas têm?

    Desde ent√£o esse livro virou uma esp√©cia de b√≠blia na minha cozinha. Ele fica sempre √† vista, pois adoro folhear como uma forma de abrir meus olhos para o novo, de pensar fora da caixa quando lido com os alimentos. Valdely traz receitas inimagin√°veis e explica√ß√Ķes sobre cada PANC. Ali√°s, logo de cara ele explica que PANC √© tamb√©m uma parte de uma planta que a gente conhece mas n√£o pensa em comer, como a casca da banana e o umbigo da bananeira ou a pr√≥pria flor dos ip√™s por exemplo.¬†

    Atrav√©s desse livro me dei conta que sou uma analfabeta bot√Ęnica. Pesquisando, descobri que¬†o ser humano consome apenas 0.06% das plantas comest√≠veis dispon√≠veis no planeta, sendo que 80% da vasta vegeta√ß√£o brasileira √© comest√≠vel.¬†

    Por que esses fatos n√£o s√£o divulgados?

    Por que a diversidade alimentar não é ensinada nas escolas, sendo que pessoas morrem de fome ao redor do mundo todos os dias?

    √Č triste para mim pensar que a monotonia alimentar nos habita.¬†Vamos ao supermercado e encontramos o mesmo de sempre. Se queremos comer batata, por exemplo, encontraremos geralmente a inglesa, baroa, doce e asterix, sendo que existem mais de 4.000 tipos de batata somente na Cordilheira dos Andes.

    Como mudar esse cen√°rio?

    Uma pequena a√ß√£o pode come√ßar a minimamente reverter essa situa√ß√£o: precisamos criar uma DEMANDA de mercado, indo √†s feiras e supermercados e sempre¬†perguntar se existem PANC’s dispon√≠veis para compra. Os produtores muitas vezes n√£o comercializam as PANC¬īs por causa do baixo valor econ√īmico, eles simplesmente pensam que n√£o ser√£o compradas e por isso n√£o disponibilizam para venda.

    Quer um exemplo? Ora pro nobis, planta trepadeira cheia de proteína e deliciosa, muito usada na culinária mineira. Ela se reproduz aos montes e, na contramão do que poderia acontecer, não está disponível para compra.

    Na próxima vez que for à feira, crie a demanda, pergunte, faça parte dessa mudança!

    Agora, a receita de flor de ipê salteada

    Essa é uma releitura da receita do Valdely. Você vai precisar de: 

    Um punhado de flores de ipê frescas e bem lavadas (serve flor de ipê roxo, rosa, branco, amarelo)

    Meio dente de alho picadíssimo

    1/3 cl. (de ch√°) de sal

    1/2 cl. (de ch√°) de c√ļrcuma ou qualquer especiaria que voc√™ goste

    1 fio de azeite extravirgem

    Flroes de ipê - comestíveis
    Flores de ipê colhidas na Praça da Liberdade, no exato momento em que iam caindo no chão

    Preparando as flores

    Pré aqueça uma penela e coloque o fio de azeite para dourar com o alho

    Acrescente os temperos e, por fim, a flor de ipê

    Mexa com muita delicadeza até que o tempero incorpore, tomando cuidado para não queimar as pétalas

    Sirva imediatamente!

    Uma dica é consumir com saladas, torradas ou no meio de alguma massa!

    Flores comestíveis de ipê
    Flores de ipê salteadas no azeite

    Afinal, que gosto a flor tem?

    As flores do ipê são bastante amargas, e acompanham muito bem uma cervejinha, contrariando a coisa da comida de fada!

    Se você gostou desse texto, acesse o cantinho Filosofando Com As Panelas e assine o Jornalzinho do Cebola para receber novidades.

    Partilhe também o texto com os amigos e deixe cá um comentário para que a gente possa se amar virtualmente!

  • Receitas / Receitas vegetarianas / sobremesas

    Brownie de farinha de castanha

    Um brownie quentinho acompanhado de uma bela xícara de chá aquece o coração da gente!

    Se for feito em casa com ingredientes de qualidade e já no forno exalar cheiros convidativos que preenchem a casa inteira, nem se fala!

    John Gerard, um herbalista de m√£o cheia, certa vez disse que ‚Äúse os odores podem produzir satisfa√ß√£o, eles s√£o t√£o soberanos nas plantas e t√£o agrad√°veis que nenhuma confec√ß√£o dos botic√°rios pode se igualar √† sua excelente¬†virtude‚ÄĚ. Bonito, n√©?

    A ideia da receita de hoje foi inspirada nessa frase! Vou ensinar a fazer um brownie pra lá de cheiroso! Por isso, temos 2 ingredientes especiais: óleo essencial (OE) de amêndoas amargas e farinha de castanha do pará. 

    A Farinha de castanha do Pará é leve, nutritiva e apresenta incríveis propriedades, como ácidos graxos saudáveis, poucos carboidratos ou óleos, fibras, minerais e vitaminas. Ela também é uma importante fonte de selênio, mineral essencial para acionar enzimas que combatem os radicais livres!

    J√° o¬†√≥leo essencial de am√™ndoas amargas da Lazslo,¬†segundo a pr√≥pria marca, √© um “potente anti-inflamat√≥rio, empregado em dores articulares, artrite, fibromialgia, bursite, LER, tendinite, reumatismo, etc. √Č um poderoso anti-infeccioso, fortalece o sistema imunol√≥gico e a auto-estima, possui propriedades parecidas com a canela”.

    As propriedades terap√™uticas desse OE de am√™ndoas amargas n√£o param por a√≠: ele √© um potente anti-inflamat√≥rio, empregado em dores articulares, artrite, fibromialgia, bursite, LER, tendinite, reumatismo, etc. √Č tamb√©m anti-infeccioso e fortalece o sistema imunol√≥gico!

    Quem vem?

    Continue Reading

  • Receitas

    Workshop Cozinha Intuitiva

    O Cebola tem o prazer de anunciar seu primeiro Workshop, que ser√° sobre Cozinha Intuitiva!

    A proposta desse evento é criar uma conexão com a alimentação mesmo na correria dos dias e despertar a vontade de se nutrir através do autoconhecimento que a cozinha proporciona. Esse curso é voltado tanto às pessoas que já cozinham em casa quanto às que não sabem por onde começar.

    Acreditamos que a alimentação é uma forma de conexão com nosso corpo, e que quando estamos na cozinha é possível meditar, sentir e ouvir as panelas, deliciar com cheiros, texturas, superar nossos limites, brincar com as papilas gustativas, afinar o paladar, adorar o novo e descobrir outros sabores.

    Você irá aprender a:

    Elaborar receitas pr√°ticas, diferentes e saud√°veis para o dia a dia;
    Aplicar técnicas de mindful eating na sua rotina (alimentação consciente)
    Planejar uma alimentação semanal
    Identificar os tipos de fome
    Reconhecer a fome real
    Usar as PANC¬īs (plantas aliment√≠cias n√£o convencionais) para fugir da monotonia alimentar
    Entender os rótulos dos alimentos
    Despertar a vontade de cozinhar em casa

    MIimo é amor! Teremos:

    Chá ayurvédico
    Mini meditação para despertar o paladar
    Apostila
    Degustação das receitas
    Gentilezas
    Surpresinhas
    Instrutoras:

    Bruna Ferreira

    Professora de Ashtanga Yoga e facilitadora de alimenta√ß√£o Ayurveda, especialmente com orienta√ß√£o vegana e vegetariana. √Č idealizadora do Ayurveggie e colaboradora do¬†Movimento Ashtanga

    Carolina Dini

    Autodidata na cozinha, idealizadora do¬†Cebola Na Manteiga, onde deposita receitas autorais e escreve sobre cozinha intuitiva e a import√Ęncia da consci√™ncia alimentar. D√° dicas de t√©cnicas culin√°rias f√°ceis de executar no @carolinandini.

    Os ingressos serão vendidos via Sympla, através do link https://www.sympla.com.br/workshop-cozinha-intuitiva__309183 ♥

    Apoiadores:

    Casa Fresca, a sede da Feira Fresca, onde estão estabelecidos produtores locais de responsa

    OOP, cafés especiais e experiências

    Luiza Bongir, fotógrafa e artista visual belorizontina

  • entradinhas / pratos principais / Receitas / Receitas veganas / Receitas vegetarianas

    Creme exótico de cenoura e gengibre

    Está aberta a temporada de sopas, cremes  e caldos aqui no Cebola na Manteiga!

    E para estrear esse clima de inverno gostoso em grande estilo trazemos uma receita de creme de cenoura com gengibre, que tem¬†origem √°rabe e o poder de acalentar os cora√ß√Ķes mais g√©lidos.

    Cura ressaca, cura dor de amor e abraça a gente por dentro. Se aprochega, vai:

    Continue Reading

  • Receitas

    Ch√° da felicidade

    Antes do ch√°, uma pequena passagem sobre a felicidade, essa danada

    “Felicidade” vem do latim “felicń≠tas,ńĀtis”, e significa¬†‘prosperidade, dita, ventura’. Segundo Lu√≠s Erlin, em ‚Äú8 caminhos para a felicidade, ‚ÄúFelix” queria dizer, originalmente ‚Äúf√©rtil‚ÄĚ, ‚Äúfrutuoso‚ÄĚ, ‚Äúfecundo”.

    Feliz, ent√£o, seria quem produz frutos?

    Monja Coen, uma brasileira que abandonou a vida cotidiana para passar suas viv√™ncias pessoais atrav√©s dos ensinamentos do dharma, disse que “condi√ß√Ķes boas n√≥s criamos”. O budismo cr√™ que, domando a mente e controlando nossos desejos, que s√£o incessantes e levam √† insatisfa√ß√£o, poderemos ent√£o ser felizes.

    Acontece que nossa mente, que representa apenas uma parte do nosso ser Рcomposto também de espírito, corpo e coração, parece ter sido treinada pelo inconsciente coletivo para viver o auto martírio, para duvidar da nossa voz interior e buscar a vida além do presente.

    Ent√£o como domar as dualidades que nos consomem e atravessam?

    Talvez a pergunta certa não esteja sendo feita pelo nosso Eu Mochileiro Das Galáxias. A pergunta a se fazer é: como fomentar a felicidade?

    Quando crian√ßa fui apresentada ao livro Polyanna, de¬†Eleanor H. Porter. Ele conta a hist√≥ria de uma menina que brincava o ‚Äújogo do contente‚ÄĚ, que consistia em encontrar em todas as experi√™ncias micro partes de felicidade, ainda que as situa√ß√Ķes vividas fossem tristes de arrancar peda√ßo. Polyanna era uma √≥rf√£ que foi obrigada a viver em companhia de uma madrasta que perambulava pelos dias de cenho franzido e cara truncada, com √≥dio de todos. Chegando na nova casa, Polyanna foi colocada pela madrasta para dormir num s√≥t√£o sujo e sombrio, de dar medo. A menina ficou triste ao comparar seu dormit√≥rio com os outros quartos daquela casa. Mas, quando come√ßou a explorar o lugar, se deparou com a bela vista que a janela proporcionava, e p√īde assim tirar o foco daquele lugar sombrio, dando espa√ßo para a alegria.

    Polyanna permitia a si mesma reconhecer a tristeza e a partir da√≠ transp√ī-la. Caminhava al√©m da feiura do s√≥t√£o escuro, para l√° dos sentimentos de insatisfa√ß√£o. Saiu do estado de nega√ß√£o da tristeza para a felicidade constante, que √© bem diferente do √™xtase que causa furor vendido pela m√≠dia. Precisamos do triste para compor o feliz, pois sem esse contraste n√£o saberemos, genuinamente, o que √© cada coisa em sua plenitude.

    Fazendo um paradoxo, o jogo do contente √© uma co-cria√ß√£o da realidade, um exerc√≠cio que devemos praticar. Somos duramente respons√°veis pelos pr√≥prios pensamentos e rea√ß√Ķes.

    Feliz √© quem d√° frutos e vibra no presente, quem respira criatividade, se percebe livre e permite se fazer canal e instrumento do cosmos, j√° que somos, qu√Ęntica e fisicamente, parte dele.

    O fato de sermos respirados pelo mundo ‚Äď e n√£o o contr√°rio -, por si s√≥ √© beleza e felicidade. Quando reconhecermos que n√£o temos controle sobre nada, deixaremos que nosso SER inteiro possa enfim fluir, como um rio que simplesmente passa.

    E para jogarmos o jogo do contente nos inevitáveis dias em que nosso barco atravancar por entre os galhos de um rio turvo ou de um sótão sujo, fazendo despontar no coração uma dor quase tangível, deixo cá uma receita de chá da felicidade, para ser sorvido entre um respiro e outro.

    Ch√° da felicidade

    Esse¬†ch√° √© super arom√°tico e provoca a mente dando energia para come√ßar o dia. Por ser um¬†estimulante natural, √© uma alternativa para o caf√©,¬†sendo ideal para quando o est√īmago acordar pedindo algo leve ou para as pessoas que t√™m problemas gastrointestinais relacionados √† cafe√≠na.

    Mas de onde vem o nome¬†‚Äúch√° da felicidade‚ÄĚ?

    O¬†alecrim, ingrediente principal, melhora a produ√ß√£o de serotonina,¬†neurotransmissor que estimula a conex√£o entre os neur√īnios,¬†dando fim √†quele mau humor matinal.

    E pra melhorar, o √≥leo essencial de laranja val√™ncia, tamb√©m conhecido como ‚Äú√≥leo da felicidade‚ÄĚ, d√° o toque que faltava para essa receita. Ele tamb√©m contribui na luta contra a depress√£o e falta de entusiasmo pela vida, sendo um calmante suave que estimula a alegria. Na √°rea digestiva atua estimulando o apetite e diminuindo problemas como flatul√™ncia e reten√ß√£o de l√≠quidos no corpo.

    Esse óleo é tão maravilhoso que pode ser usado nos xampus para tratamento de caspa, seborréia e até queda de cabelo. Basta colocar uma gotinha no frasco e agitar antes de usar.

    Como vocês viram, esse chá da alegria é belíssimo para adotar no dia a dia.

    Usamos o óleo essencial de laranja valência da Lazlo, que tem outras variedades de óleos de laranja também.

    Segundo a Laszlo, que estuda e investe em estudos de aromaterapia, a¬†‚Äúlaranja val√™ncia √© uma das esp√©cies de laranja doce mais empregada para extra√ß√£o de suco no Brasil, juntamente da laranja P√™ra. O seu √≥leo essencial se destaca por possuir um aroma mais doce e sutilmente mais perfumado que o da laranja P√™ra, a qual substitui de forma at√© mesmo superior‚ÄĚ.

    Aroma e benefícios garantidos!

    Ingredientes para 2 canecas de ch√° da felicidade

    400ml de √°gua filtrada

    4cl. (de sopa) de alecrim (seco ou natural)

    1 pedacinho bem pequeno de gengibre (com a casca e tudo!), ou 1/2 cl. (de sopa) de gengibre em pó

    1 gota de óleo essencial de laranja valência

    Como fazer

    Ferva a √°gua e desligue o fogo

    Numa caneca, coloque todos os ingredientes, depois adicione água e espere até que o aroma apareça

    Sirva em seguida!

    Se você não gosta tanto do sabor amargo, vale coar o chá antes de tomar

    Dica para estimular o consumo de ch√° em casa

    Quando for receber amigos em casa, disponha sobre a mesa uma chaleira com água quente e mini potinhos com alguns ingredientes secos para infusão, como canela em pau, alecrim, orégano, hortelã, capim limão, etc.

    Assim cada um poderá montar seu próprio blend! 

    Manter esses potinhos bem fechados em casa num lugar visível faz com que a gente sinta mais vontade de usar a natureza como forma de cura!

    Se voc√™ gosta de √≥leos essenciais, visite o¬†emp√≥rio virtual da Laszlo,¬†que conta com in√ļmeros deles que podem ser utilizados na cozinha, como cardamomo, laranja, noz moscada, gengibre, alecrim e hortel√£.

  • Receitas

    Burguer de cogumelos

    Esse burguer de cogumelos √© especial pois leva cebola roxa caramelizada na manteiga, r√ļcula para conferir pic√Ęncia, queijo da Serra da Canastra meia cura tostadinho para dar croc√Ęncia, e por fim cogumelos salteados na c√ļrcuma!

    Para acompanhar, voc√™ pode escolher um molho delicioso dentre as sugest√Ķes que est√£o ao final da receita.

    Quem vem?

    Continue Reading

  • entradinhas / Receitas / Receitas vegetarianas

    Como fazer cebola caramelizada: deliciosa receita com mel

    Cebola caramelizada! J√° deu √°gua na boca? Pois aqui vai uma receitinha f√°cil e inesquec√≠vel, que conta ainda com um segredinho exclusivo para voc√™s, queridos leitores. Agridoce e suculenta, ela pode ser servida como antepasto ou para acompanhar pratos diversos, como hamb√ļrgueres, saladas ou o que sua imagina√ß√£o mandar.

    Bora?

    Continue Reading

  • Receitas

    Comidas que n√£o podem faltar no jogo da copa

    Não tem nada mais gostoso que reunir os amigos durante os jogos da Copa do mundo. 

    E nada melhor que comidinhas deliciosas para acompanhar aquela cervejinha gelada e petiscar à vontade!

    Pensando nas comidas que não podem faltar durante os jogos da copa do mundo, trouxemos 3 receitas fáceis de executar. 

    Quem vem?

    Continue Reading

  • entradinhas / Receitas / Receitas vegetarianas

    Receita de dadinho de tapioca à baiana

    Parece p√£o de queijo, mas n√£o √©. Essa del√≠cia, criada pelo Chef Rodrigo Oliveira, que comanda o Mocot√≥ em S√£o Paulo, restaurante de comida t√≠pica nordestina, foi ganhando diversas¬†vers√Ķes ao longo do tempo.

    A que ensinamos hoje leva um ingredientes especial: melado apimentado de alecrim.

    E o melhor: ao invés de fritar, você pode fazer assado, pra dar aquela forcinha na dieta!

    Você já foi à Bahia, nega? Não? Então vá:

    Continue Reading

NÃO PERCA NENHUMA NOVIDADE!
Receba em primeira m√£o o conte√ļdo do Cebola :)
Inscrever!
Me inscrever :)

Pin It on Pinterest